Rômulo Soares

Por Rômulo Soares

13h50

As vantagens da Sustentabilidade na Construção Civil

A sustentabilidade tem sido um desafio superado com êxito pelo setor da construção civil, através de conceitos revistos quanto à grande quantidade de resíduos e entulhos gerados por obras, o desperdício de materiais produzidos através de atividades nocivas de extração das matérias primas de grande impacto ambiental, além do consumo exacerbado de energia e escassez de água.

Nesse contexto, uma construção sustentável deve buscar aproveitar ao máximo os recursos naturais disponíveis no local (iluminação natural), racionalizar a energia (com a energia renovável), prover sistemas e tecnologias que reduzam o consumo de água (reuso, aproveitamento da água de chuva), contemplar áreas para coleta seletiva de lixo (reciclagem) e criar ambientes saudáveis, utilizando tecnologias sustentáveis e inteligentes para regular ventilação, acústica e temperatura.

Vale lembrar que, além dos impactos relacionados ao consumo de matérias primas e energia, 50% dos resíduos sólidos gerados pelas atividades humanas são provenientes da construção, além dos resíduos líquidos e gasosos.

Daí por que o objetivo principal da sustentabilidade na construção civil é minimizar os impactos ambientais provocados pela construção a fim de preservar o ambiente para beneficiar gerações futuras, através de práticas sustentáveis em todos os âmbitos e simultaneamente garantir uma maior viabilidade econômica.

Assim, têm se tornado comuns práticas têm se tornado comuns, a exemplo do  “Green Building” ou edifício verde, que  é o espaço onde são bem utilizados os processos de sustentabilidade na construção civil desde a sua concepção, construção e operação, gerando benefícios para a economia e saúde, além de melhorar a qualidade de vida.

Nesse caso, os custos dos materiais utilizados, como o tijolo ecológico, são mais baratos, uma vez que a sua produção é diferente dos demais materiais convencionais. O impacto no ambiente e para as comunidades no seu entorno também é mínimo, e a economia de recursos (água e energia elétrica) é bem maior.

Outras boas práticas são a gestão eficiente de resíduos, cujo processo bem executado, permite o reaproveitamento, reduz os custos de coleta e garante a reciclagem; o investimento em novas tecnologias; a certificação dentro das normas reguladoras; a utilização de recursos naturais para iluminação, ventilação e aquecimento; o uso de materiais de baixo impacto ambiental, como os pré-moldados; o reuso da água e a adoção de coberturas vegetais de grama e outras plantas, que facilitam a drenagem da água da chuva e fornece isolamento acústico e térmico.

Nesse, que é um caminho sem volta, a natureza e o meio ambiente agradecem.


O Programa Tambaú Imóveis & Negócios do último sábado (26) debateu sobre o tema: “Covid-19: Até onde foi flexibilizada a convivência em condomínio”. No estúdio recebemos as advogadas especialistas na área, Elaine Oliveira e Samille Queiroga.





*Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal T5.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *