Paraíba, quinta-feira, 22 de outubro de 2020
26° C
Busca

Blogs

Avatar

Por Richelle Bezerra

09h24

Maquiadora paraibana se reinventa com artesanato e, hoje, atua nas duas áreas

Maquiadora há 10 anos, Sayuri Matsubara se define como uma pessoa “caseira” e muito dedicada ao trabalho. Ela sempre desejou ter mais uma ocupação que a deixasse com o sentimento de completude e colaborasse com o fato de querer ser mãe e não depender apenas de uma fonte de renda. No começo da pandemia, veio um momento revelador. Sayuri desenvolveu ansiedade, teve que lidar com os eventos cancelados por conta da pandemia, ficou mal com a perda de sua gatinha de estimação, entre outros problemas. Para continuar na ativa, ainda fez uma série de vídeos no Instagram sobre maquiagem, algo que serviu como refúgio.

Logo depois, surgiu a vontade de fazer crochê, que de início apareceu como um hobbie, apenas para deixar as plantas de sua casa ainda mais bonitas e aconchegantes visualmente. Uma lembrança antiga a fez recordar que, desde os seis anos de idade, tinha aprendido a fazer crochê e chegou a vender panos de prato bordados. Com a ajuda do YouTube foi aprendendo algumas técnicas e começou a fazer os “cachepôs”.

A ideia se fortaleceu com as vendas online. Sayuri criou perfil nas redes sociais, logomarca, adesivos, etiquetas, definiu as formas de pagamento, entregas do produto etc. Ou seja, criou toda uma estratégia detalhada para lançar a marca, que, segundo ela, começou de forma despretensiosa. Ela não se tinha a noção de que as pessoas iriam gostar tanto do produto. Assim, nasceu o “Verdinho” que segue uma política sustentável.

“Além de ser uma empresa amiga dos animais, o ‘Verdinho’ tem compromisso com o meio ambiente. Não utilizamos plástico em nenhuma embalagem, a matéria-prima é resíduo industrial, damos valor e respeitamos muito as pessoas que estão no mercado e que fazem artesanato antes de nós chegarmos com nossos produtos”, ressalta.

Hoje, o Verdinho conta com quatro tipos de “cachepôs”: o PP, P, M e G. Uma novidade é que também será possível fazer a compra dos cachepôs junto com a planta, no caso as suculentas.

“Fazemos peças por encomenda para vários seguimentos como kit higiene, kit maternidade, cestos organizadores em diversos modelos, mas nosso foco é levar ‘verde’ para dentro da casa das pessoas. Cachepôs que abraçam plantas. A jardinagem é uma terapia que me fez e faz muito bem.  O artesanato também é uma terapia, eu me recolho e começo a crochetar. Minha criatividade alcança níveis altos em meus momentos de concentração. Isso enriquece tanto o Verdinho quanto meu trabalho de maquiadora”, disse.

“O ‘Verdinho’ tem dois meses e nosso faturamento dobrou de tamanho em relação ao mês de inauguração. Os clientes simplesmente chegam por indicação, por ter visto algum patrocínio que fizemos”, disse.

Com esse crescimento veio também uma vontade grande de ajudar os bichinhos. Sayuri ama gatos desde criança e, atualmente, o negócio reverte parte de suas vendas para doações à causa animal. Ela faz questão de ressaltar a importância de uma empresa, seja ela grande ou pequena, em ajudar financeiramente algum projeto social.

Nas redes sociais, Sayuri tenta trazer uma identidade visual que emocione, com fotos bonitas e que trazem uma harmonia interessante ao feed do Instagram da marca.

“Muito do meu conhecimento de fotografia com a maquiagem me ajuda com a imagem do Verdinho. Confesso que não ligo se o feed está organizado ou não, mas independente disso, um post completa o outro, não é intencional, mas dá certo! Deus me ensinou a fazer tudo com amor, do mesmo jeito que fotografo minhas clientes/modelos, fotografo os cachepôs, bandejas, cama para pets… vai ver que o tempero é esse. É clichê mas é verdade!”, brinca a jovem, que atualmente se divide entre as atividades da maquiagem e do artesanato. 

 

Texto: Richelle Bezerra e Isabelle Vasconcelos
Foto destaque: Sayuri Matsubara

 

 

ACESSE TAMBÉM O SITE: IDEIAPOSITIVAONLINE.COM E CONFIRA NOSSOS “CASES DE SUCESSO”!

 

SIGA AS REDES SOCIAIS: @IDEIAPOSITIVAONLINE.
ATÉ A PRÓXIMA!





*Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal T5.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *